O seu antivírus morrerá. E você não poderá fazer nada contra isso.

O seu antivírus morrerá. E você não poderá fazer nada contra isso.

O antivírus tradicional (AV) não é mais a solução ideal para prevenir falhas de segurança no endpoint. A solução deixou de ser eficaz para combater as atuais ameaças cibernéticas. Embora o antivírus tradicional satisfaça muitos requisitos regulamentares, como os de governança e de conformidade, sua relação custo x benefício deixou de ser vantajosa, pois ele fornece pouco ou nenhum valor de segurança real.

Neste caso, apesar do fato de que as soluções tradicionais “protegem” quase todos os endpoints e servidores no mundo, as violações de segurança ainda estão em ascensão. As organizações que optam por substituir seu antivírus tradicional por tecnologias mais avançadas devem selecionar um produto de segurança que ofereça um valor de segurança superior, não apenas em termos de custos monetários, mas também em termos de eficácia de segurança.

 

Mas e se ele morrer, qual será seu substituto?

Especialistas apontam há alguns anos, a necessidade da evolução das ferramentas para proteção de endpoints, saindo da esfera reativa e entrando no âmbito estratégico do desenvolvimento da ameaça. E pensando nesta demanda o mercado convergiu na criação das chamadas soluções Advanced Endpoint Protection. Mas o que significa afinal esta tal “proteção avançada de endpoint”?

Para ser considerada uma ferramenta avançada de proteção para endpoints, ela deve ser multi-métodos. Ou seja, deve focar nas técnicas de construção da ameaças e não em suas variantes. E esta redução de espectro não significa perda de visão ou profundidade de ação, mas muito pelo contrário, ela potencializa a cobertura não só das ameaças e malwares tradicionais mas também contra aquelas tecnicamente refinadas e que nenhum antivírus comum pode detectar.

E é possível comparar diretamente os tradicionais AV com o Advanced Endpoint Protection?

A resposta é: não!

Embora ambas possam bloquear ameaças em comum como objetivo final, elas enxergam em direções diferentes. Desta maneira, criar qualquer comparativo entre elas seria igualar bananas à maçãs. Certo?

Caso queira entender mais sobre as diferenças entre ambas abordagens, veja alguns vídeos interessantes abaixo:

 

 

O Traps da Palo Alto Networks versus WannaCry.

A Palo Alto Networks traz no Traps a verdadeira “prevenção multi-métodos”, bloqueando ataques sem a necessidade de assinaturas tradicionais de antivírus ou host IPS no ponto final. O Traps aproveita a inteligência de ameaças, aprendizado de máquina, análise estática e dinâmica e prevenção avançada de manipulação e memória. Além disso, o Traps monitora processos e aplicativos à medida que eles são gerados por atividades e eventos suspeitos, e os dados do ponto final estão correlacionados com eventos descobertos pelos dispositivos NGFW da Palo Alto Networks e WildFire.

Contextualizando a ação do Traps na campanha de ransomwares que assolou diversas empresas ao redor do mundo, abaixo está a timeline do WannaCry, onde poderão observar que os clientes utilizando Traps já estavam protegidos via análise local com Machine Learning. Onde os firewalls NGFW da Palo Alto Networks já possuíam proteções contra os CVE’s e com a evolução do ataque, a assinatura Wildfire foi vendo mais eventos e automatizando mais proteções e indicadores a respeito da ameaça, que serviram como uma das massas de dados utilizadas pelo Autofocus.

E você já deve se preparar para a mudança?

A resposta é: sim!

Porém é muito importante salientar que não se trata somente de substituição de ferramentas. A mudança deve ser encarada como um todo e o esforço de enxergar a proteção de endpoints como uma tarefa proativa, fará toda a diferença e aumentará os índices de sucesso desta transição.

E o momento de começar a agir, é agora.

 

Atenciosamente,

Gantech Information Safety

 

Café da manhã reúne executivos para debater cenário de Ransomwares.

Café da manhã reúne executivos para debater cenário de Ransomwares.

Vamos falar sobre Ransomwares?

 Café da manhã reúne em São Paulo, líderes de TI e clientes da Gantech, para falar sobre Ransomwares e sequestro de dados.

 

Oferecido pela WatchGuard Technologies e a Gantech, no último dia 13/07, o evento reuniu importantes lideres de TI e executivos de tecnologia para debater o tema que além de atual, afeta diretamente todos os segmentos da economia.

Com palestra ministrada por Mauricio Costa, Country Manager Brasil da WatchGuard Technologies, o café da manhã ofereceu ampla explicação sobre o que são Ransomwares e como eles vêm afetando e desafiando diretamente as estruturas de segurança de rede. Somando-se ao overview do cenário de sequestro de dados e evolução destas ameaças, os presentes puderam ver em números reais quanto que o mercado de cibercriminosos está lucrando com estas atividades ilícitas.

Mauricio Costa (Country Manager Brasil – WatchGuard)

 

Clientes Gantech e Executivos de TI

E seguindo no firme compromisso de trazer aos clientes e amigos, conteúdo e tecnologias de ponta em Segurança da Informação, a Gantech manterá durante o ano uma agenda pontual de eventos e divulgações, sempre abordando os aspectos estratégicos do segmento de Segurança em TI.

Acompanhe nosso blog e perfis para mais novidades!

Atenciosamente,

Gantech Information Safety

COMUNICADO IMPORTANTE: Ransomware Petya

COMUNICADO IMPORTANTE: Ransomware Petya

Prezados clientes, parceiros e amigos.
Recentemente tomamos conhecimento de um novo ataque do tipo Ransomware, chamado Petya, que atingiu pontualmente companhias de energia e instituições bancárias do Leste Europeu. Até o presente momento se sabe que a onda foi propagada às 15:00 na Ucrânia (hora local), atingindo pontualmente empresas nacionais.

Mensagem de resgate do Petya

Em que pese a ação isolada, estamos cientes do acontecimento e trabalhando de maneira intensa junto aos nossos parceiros, visando manter nossos clientes protegidos contra esta ameaça.

Dessa maneira, reforçamos nosso compromisso e visão preventiva de segurança da informação.

Atenciosamente,

Gantech Information Safety.

A Internet das coisas e a era de repensar a segurança.

A Internet das coisas e a era de repensar a segurança.

Você chega em casa cansado após um dia de trabalho e pensa em preparar um delicioso cafezinho expresso. Olha para sua cafeteira, seleciona sua cápsula e inicia o preparo com aquele maravilhoso e peculiar aroma. Um dia após o outro, você repete o processo, alternando entre diferentes horários e diferentes sabores. E sem perceber, suas preferências são coletadas e memorizadas. Este é um pequeno exemplo de nosso tema da semana. A internet das coisas redefinindo conceitos e mudando paradigmas, lançando uma nova era para repensar a segurança.

Pois é, até uma inofensiva cafeteira hoje pode saber tão bem dos seus hábitos quanto você mesmo.

Do cafezinho em casa ao grande parque de firewalls de um grande banco, tudo está envolto pela internet das coisas (IoT), onde os perímetros foram quebrados e uma redefinição de zona e bordas está em curso. Mas o que isso quer dizer, afinal?

A descentralização do armazenamento de dados e instância das aplicações fez com que a “era Cloud” fosse a predecessora do que o IoT hoje está consolidando. Dispositivos inteligentes e capazes de coletar qualquer tipo de informação vem, escalando cada vez mais a integração entre plataformas, porém na contrapartida tudo ainda está meio “solto”. E esta lacuna de organização de informações vêm desafiando a área de segurança da informação.

Não se trata de comandar tudo que se conecta à rede, mas sim, convergir tudo o que os dispositivos estão dizendo em uma única consolidadora de dados. Além disso, é importante gerir a segurança com visão da conformidade, mantendo requisitos mínimos de políticas de acesso e explorando os recursos de checagem de status de cada item conectado ao ambiente de produção e conectividade internos. Esta convergência é capaz não só de facilitar a coleta e visualização de diversos dispositivos, bem como, de mostrar as diferenças entre eles e o quão peculiar e específico cada um pode ser na superação diária dos desafios em segurança.

E é assim, migrando de uma rede à outra diariamente, que os dispositivos móveis interagem com seus equipamentos domésticos e com sua rede corporativa. Entender que este intercâmbio de informações e redes altamente flutuantes em regras pode dinamitar qualquer ambiente precariamente concebido, é fundamental.

E aí, vamos repensar a segurança?

 

Atenciosamente,

Gantech Information Safety.

 

Reflexões pós-ransomware: o que fazer agora?

Reflexões pós-ransomware: o que fazer agora?

Muitos ainda procuram entender em quais circunstâncias estão inseridos neste contexto.

Há casos e casos. Alguns experientes em questões pontuais relativas ao fator exposição/proteção e uma parte deles sem qualquer histórico de envolvimento em cenários de ataques massivos como o último ocorrido. Fato é que, para quaisquer das realidades encontradas, prevenção é a palavra chave

Voltando ao tema principal deste artigo. E você? Onde se encontra neste universo de vulneráveis e variantes?

A intenção desta pergunta é, além de proporcionar o exercício reflexivo, fazer com que você entenda que toda tempestade traz consigo sua bonança. E neste caso o sol radiante é bem mais do que uma mera paisagem.

Há pelo menos dois anos, não só nós da Gantech mas como uma boa parte do segmento de Segurança da Informação já vínhamos alertando sobre esta nova geração de malwares e o quanto destrutivos eles poderiam ser. E como se não bastassem a evolução nas técnicas de desenvolvimento, os danos tornaram-se se também proporcionalmente diversificados e mais pesados.

Há de se mudar a maneira de pensar sobre como combatemos o crime cibernético. Se estamos dando mais combustível para o fogo ou se estamos tentando apagar o incêndio com um balde de água. E neste caso somos explícitos em dizer que as técnicas importam muito mais do que os meios.

Está na hora de fixar de vez que a informação continua sendo patrimônio e tem seu valor. E se antes os atacantes procuravam invadir a fortaleza de dados nas empresas, hoje eles procuram injetar pequenos pacotes nas mochilas destes soldados. O usuário passa a ser o foco, e uma vez entregue dentro do forte, se despreparado, será difícil enfrentar está batalha.

Aproveite este momento de calmaria (que não durará muito) e aproveite para conhecer o que o mercado tem a oferecer. Está na hora de sair para enfrentar uma nova tempestade com muito mais do que um guarda chuva.

Abraços,

Gantech Information Safety